Pré-natal do parceiro: o papel do homem durante a gestação - Primeiros 1000 Dias

Pré-natal do parceiro: o papel do homem durante a gestação

Além de exercer um papel importante durante a gestação, o homem também deve aproveitar o pré-natal para olhar com mais atenção para a própria saúde

Durante a gestação, todas as atenções se concentram na mãe, responsável por gerar e nutrir o bebê. O pai, por sua vez, acaba assumindo o papel de coadjuvante. Mas não precisa ser assim: o envolvimento do homem no pré-natal é bem-vindo e só tem a contribuir pelo melhor desenvolvimento da gravidez.

presença do pai

Para estimular o envolvimento paterno na gestação, o Sistema Único de Saúde (SUS) desenvolveu a estratégia “Pré-Natal do Parceiro”, considerada uma porta de entrada para os homens no SUS. De acordo com o Ministério da Saúde, o objetivo do projeto é garantir o envolvimento consciente da população masculina em todas as etapas do planejamento reprodutivo e da gestação. Tal movimento teria papel fundamental no fortalecimento dos vínculos afetivos saudáveis entre eles e suas parceiras e filhos.

Como funciona o pré-natal do parceiro

Envolver o homem em tais processos vai além de solicitar que compareça às consultas de rotina da gestante. O pré-natal do parceiro demanda que ele também passe por consultas para monitorar a própria saúde e buscar estratégias de vida mais saudáveis. Assim, o projeto propõe que o pai da criança, assim como a mãe, terá acesso a profissionais de saúde, exames e todos os serviços ofertados pelo SUS.

A primeira consulta avalia o estado geral de saúde do parceiro, que deverá atualizar sua carteira de vacinação, fazer testes rápidos e exame de rotina, como hemograma e detecção de doenças sexualmente transmissíveis.

Independente dos resultados dos testes e exame, o pré-natal do parceiro deve ser encarado como uma oportunidade para integrar o homem nas ações voltados para o cuidado integral da saúde. Prática de atividades físicas, alimentação balanceada e saudável, redução do consumo de bebidas alcoólicas e deixar de fumar são algumas das medidas sugeridas.

Além disso, o parceiro recebe orientações relativas aos direitos da gestante e aos seus próprios direitos. Discute-se, por exemplo, como ele pode participar ao longo de todo o processo, seja praticando o Método Canguru com o recém-nascido, incentivando a amamentação ou dividindo as tarefas de casa com a mulher.

Por que incluir o parceiro?

Incluir o parceiro traz benefícios tanto para o homem, quanto para a gestante. No que diz respeito à mulher, o homem teria o papel de:

  • Garantir um melhor atendimento para a sua parceira, reduzindo possibilidades de violência obstétrica ou institucional;
  • Estimular o parto normal;
  • Diminuir o medo e a tensão durante o parto, aliviando assim a dor;
  • Aumentar a sensação de prazer e satisfação no parto;
  • Diminuir a ocorrência da depressão pós-parto;
  • Favorecer o aleitamento materno;
  • Fortalecer o vínculo entre pai, mãe e bebê.

Para o homem, além de uma oportunidade de acompanhar mais de perto o desenvolvimento do bebê, o pré-natal do parceiro é forma de cuidar melhor da própria saúde. A Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem, por exemplo, foi desenvolvida com base em dados e reflexões sobre os principais fatores de adoecimento e morte entre a população masculina, como suicídios, violência, uso abusivo de álcool e drogas, infecções sexualmente transmissíveis e doenças crônicas.

O pré-natal do parceiro seria, então, um dos caminhos para cumprir tal Política. De acordo com o Conselho Federal de Enfermagem, ainda há a ideia de que o homem, quando vai se tratar, está sendo fraco. Mas para construir uma realidade melhor, na qual os homens são mais saudáveis e estão mais presentes em tarefas consideradas previamente femininas, é preciso vencer tal estereótipo.

Que tal incentivar o seu parceiro a participar do pré-natal exclusivo ao sexo masculino?

Bibliografia: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas e Coordenação Nacional de Saúde do Homem (“Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde”), Conselho Federal de Enfermagem (“Consulta Pré-Natal do Parceiro é incluída nos procedimentos do SUS”), Governo do Estado do Paraná (“Pré-Natal do parceiro pode ser Porta de Entrada para os Homens no SUS”)